cachorro se escondendo

Vida de Solteira – 10: Quem são vocês?

cachorro se escondendo

Carol

 

– O tio tá namorando, mamãe? – uma criança de mais ou menos 10 anos falou.

– Beto? Hummm… aproveitou bem a chuva, meu irmão!

Agora era um rapaz parecido com ele, com idade semelhante, que entrou na sala e também falou.

Em poucos segundos apareceu mais uma senhora e um senhor. Meu Jesus, quantas pessoas ainda iam entrar por aquela porta?

Beto permanecia imóvel, como rosto todo vermelho. Tive que dar uma cotovelada no seu braço pra ele reagir.

– Carol é uma amiga da filha de seu Maurício. Aconteceu um pequeno problema por lá…

– Carol, ainda bem que você está aqui. – Júlia entrou chorando e me abraçou.

– Sebastião viu quando você saiu no carro com Beto. Eu pensei que ele tivesse ido te deixar em casa, mas quando vi a situação do riacho, sabia que não tinham conseguido atravessar e resolvi passar aqui. Desculpa. Foi tudo culpa minha.

Júlia não parava de falar e chorava descontroladamente.

– Tudo bem, Juh. Fique calma, estamos todos bem.

– Quase caí num barranco. O carro derrapou na lama. Pensei que não chegaria aqui.

Abracei forte a minha amiga. Não queria nem imaginar se tivesse acontecido alguma coisa com ela.

A família de Beto nos observava e era a minha vez de explicar toda aquela movimentação na casa deles.

– Peço desculpas por tudo isso. Beto tentou me ajudar depois que eu e Júlia nos desentendemos. Ele ia me deixar em casa e o pneu do carro estourou. Depois que Beto conseguiu trocar, achamos melhor vir dormir aqui e amanhã ele me deixaria em casa. Ah, e estávamos deitados juntos no sofá porque tenho muito medo de trovão.

– Não tem problema nenhum, minha querida. Meu filho é muito educado e prestativo. Um exemplo de rapaz.

Todos na sala riram com o comentário da mãe dele. Apenas Beto ficou em silêncio. E, julgando pela cor de seu rosto, devia estar morrendo de vergonha.

– Vou fazer um chocolate quentinho pra essas crianças tomarem – a mãe dele falou e saiu em direção à cozinha acompanhada pelo pai de Beto.

– Eu preciso ir embora. A estrada fica cada vez pior, daqui a pouco não consigo mais voltar.

– Tá louca, menina? Pegar a estrada com essa chuva? Fique aí – o irmão de Beto repreendeu Júlia.

Ela olhou pra mim, como se tivesse pensando: Quem é esse falando comigo tão autoritário?

O irmão de Beto, assim como ele, não era nenhum exemplo de gentileza, mas eu tinha que concordar com o que ele disse. Júlia não tinha nada que sair dali naquele temporal.

Sorri para ela, indicando que tinha entendido o seu pensamento.

– Eu sei, Juh. É de família. Mas ele tem razão. Durma aqui e amanhã vamos embora.

– É de família, o quê? – Beto perguntou.

Falei que não era nada e Júlia começou a sorrir. Ela pensou melhor e aceitou dormir na fazenda do pai de Beto.

A mãe dele voltou com os chocolates quentes e começou a contar a história da família toda.

Eles tinham ido a cidade pegar a irmã de Beto, Raquel, e o seu filho, Lucas, para passarem duas semanas na fazenda. Raquel era gerente de uma loja de telefonia móvel, mas foi demitida sob a alegação de contenção de despesas. A mãe de Beto, dona Rosângela, trabalhava fazendo doces de compotas para toda a região e tinha recebido uma encomenda de 500 potes. Raquel foi ajudá-la enquanto não conseguia um novo emprego.

João Victor, o irmão de Beto, tinha 20 anos, cursava engenharia civil e namorava Camila há dois anos, mas dona Rosângela não parecia ter muita simpatia pela moça. Ela disse, de um jeito nada satisfeito, que Camila implicava por João Victor morar na fazenda.

Quando dona Rosângela falou “engenharia civil” lembrei imediatamente de Rodrigo. Que o irmão de Beto, não conheça Rodrigo. Por favor, meu anjinho, me ajude.

– E Beto? Também é comprometido? – A engraçadinha da Júlia, perguntou.

– Beto? Solteiríssimo. O melhor médico veterinário da região. Não vou dizer o melhor do Brasil para não parecer arrogante, mas com certeza um dos melhores ele é. Especializado em animais de grande porte, faz inseminação, parto, cirurgia… E só tem 25 anos. É um menino de ouro. Mas é ruim pra namorar, fica de papinho com uma e com outra, mas não quer nada sério com ninguém. Já falei pra ele, tem que arrumar uma menina boa pra casar. Homem sério tem que se dar o respeito.

A luzinha amarela acendeu na hora. “Não quer nada sério!” O engraçado foi que acabei meu namoro com Victor por querer ficar solteira e não me prender a ninguém. Mas hoje, quando eu escuto, “não quer nada sério”, já fico com receio, por medo de sofrer igual venho sofrendo por Rodrigo.

– Mãe! Já chega, neh? – Beto repreendeu a mãe.

– Estou falando alguma coisa demais? Não posso falar nada que esses meninos já ficam me recriminando. Só estou elogiando e dizendo para você procurar uma moça bacana.

– Nós entendemos sua boa intenção, Rosa, mas já está na hora de irmos descansar e deixar os meninos dormirem – Seu Ramon, o pai de Beto, entrou na conversa.

Todos concordaram que o melhor era ir dormir e assim fizemos. Beto, seus pais, o irmão, a irmã e o sobrinho se distribuíram nos quatro quartos da casa, enquanto eu e Júlia ficamos no sofá. A irmã dele insistiu pra que fôssemos dormir com ela e Lucas, mas preferimos ficar na sala e não incomodar mais.

Era bom ficar com minha amiga e que ela não lesse meus pensamentos, mas com Beto estava melhor. O corpo dele era mais quentinho e me deixava mais tranquila. Sem falar do beijo, que por milésimos de segundos, não aconteceu.

BRR BOOOM!

Um trovão de assustar explodiu em cima da casa.

– Ouviu isso, Júlia?

Ela não falou nada. Coitada, devia tá com tanto medo quanto eu.

– Júlia?

Olhei para o lado e Júlia estava “preocupadíssima” dormindo.

BRR BRR BRR BOOOOOOOOM!

Mais um, mais forte, e eu acordada sozinha. Sem dúvida ia ser a noite mais longa da minha vida.

– Carol? – A voz grossa de Beto surgiu na sala em um tom baixo.

– Aqui. Acordada e com medo.

Ele sorriu.

– Sabia que não tinha conseguido dormir com todos esses trovões. Quer que eu fique um pouco com você?

– Sim, por favor.

Não existia nem um pouco de orgulho diante daquelas explosões sobre a minha cabeça.

Beto juntou às duas poltronas que ficavam em frente ao sofá e sentamos um ao lado do outro. Os trovões provocavam barulhos cada vez mais fortes e ele segurou a minha mão.

– Eu também não consegui dormir – ele falou.

– Você também tem medo de trovão?

– Não, fiquei pensando em outra coisa.

Eu não precisava perguntar para saber do que ele estava falando, mas eu queria perguntar.

– Pensando em quê?

– No que estava prestes a acontecer antes da minha irmã abrir a porta.

– Acho que foi melhor eles terem chegado mesmo.

– Por quê?

Ele perguntou sério.

– Você tem jeito de quem não sabe beijar.

Claro que era mentira. Antes do beijo eu tive certeza que ele destruiria o resto do meu psicológico que Rodrigo ainda tinha deixado.

– Hahahah. Então precisamos tirar essa dúvida.

Ele se levantou, me pegou nos braços e sentou novamente na poltrona, mas agora eu estava em seu colo. Uma mão dele abraçou as minhas pernas e a outra subiu para minha nuca. Lentamente, Beto puxou a minha cabeça até nossas bocas se encontrarem.

Sabe aquele beijo de Victor, o único que eu conhecia, e depois o de Rodrigo, que eu pensei ser o melhor de todos? Pois é. Tinham acabado de ser devidamente humilhados por Beto.

Foi um beijo longo, daqueles que você não cansa. Suave, mas com pegada. Esqueci trovão, chuva… Esqueci de mim mesma e mergulhei nele. Depois de muito muito muito tempo eu me afastei um pouco para respirar.

– Impressionada!

Ele suspirou bem próximo ao meu ouvido, me fazendo arrepiar.

– Te digo o mesmo. Nunca foi tão bom.

Ele começou a me beijar outra vez, abraçando as minhas pernas com mais força. Beto estava me enlouquecendo quando um barulho alto, que não era trovão, nós assustou.

– Mãe? – A mãe dele nos olhava e sorria com a mão na boca.

– Desculpa, meu filho. Não quis atrapalhar. Vi a luz acessa, vim pra ver se estava tudo bem e acabei esbarrando no vaso.

A mãe de Beto bateu em um pedestal, onde ficava um vaso de ferro e o derrubou. O mais impressionante foi que Júlia não acordou. Beto colocou o vaso no lugar e a mãe foi embora. O pai dele e o irmão também estavam vindo para ver o que tinha concedido, mas ela fez sinal para eles voltarem.

Sentei na outra poltrona, mas Beto não me deixou lá por muito tempo. Ele me pegou nos braços novamente e me colocou em seu colo.

– Onde paramos? – ele perguntou.

– Acho melhor não continuar.

– Não? Por quê? Estava tão bom.

– A sua família pode aparecer a qualquer momento e não quero que eles nos vejam assim.

– Podemos ir para o meu quarto.

Eu era idiota mesmo. A intenção dele era só me levar pra cama e no outro dia sair contando para os amigos.

– Não me olhe assim, Carol. Só te chamei porque lá ninguém vai entrar. No meu quarto também tem uma poltrona. Podemos ficar sentados nela, da mesma forma que estamos aqui.

Continuei olhando desconfiada para ele. O efeito Rodrigo ainda me assombrava.

– Tudo bem, então. Se não quer ir, não tem problema – Beto falou desanimado.

Ele se aproximou para dar um selinho e ir dormir, mas eu o abracei e o beijinho de despedida se transformou em um beijão.

– Posso te levar?

– Sim.

Concordei, claro.

Beto fez como tinha me prometido antes. Me levou até seu quarto, sentou na poltrona e me puxou para que eu ficasse em seu colo. Nos beijamos quase a noite toda. Em alguns momentos eu notava que a sua animação se elevava a um nível altíssimo, mas ele tentava se controlar.

– Nunca imaginei que um dia tão estressante pudesse acabar tão bem – ele disse em um momento que demos uma pausa nos beijos.

– Eu também não.

– Você não namora ninguém, neh? – Beto perguntou.

– Namoro e estou traindo ele com você. Aff. Claro que não!

– Desculpe, estressadinha. Só queria ter certeza. Amanhã, você precisa ir muito cedo? Quero arrumar algumas roupas minhas para levar pro meu apartamento. Desisti de passar a semana aqui.

 – Acho que não precisa mais ir me deixar. Eu volto com Júlia.

– Não, eu vou levar você. Até porque, o carro de Júlia é parecido com o do meu pai e vocês não vão conseguir andar no lamaçal depois dessa noite de chuva.

– Que medo! O cowboy mandão reapareceu.

– Muito engraçadinha.

Ele voltou a me beijar outra vez. Quente, tão quente, que dentro de um forno, depois de duas horas de pré-aquecimento, estava mais frio.

– É melhor eu ir dormir, senhor cowboy – falei quase sem ar.

– Tudo bem – ele suspirou sem vontade e concordou.

Saí do quarto de Beto silenciosamente. Deitei ao lado de Júlia no sofá e estava terminando de tirar o meu lençol debaixo dela, quando ele apareceu novamente na sala.

– Só vim verificar se você chegou bem.

Fiz sinal que sim com a cabeça e sorri baixinho. Ele se despediu com um beijo rápido e voltou para o seu quarto.

Ainda demorei um pouco a dormir. Meus pensamentos oscilavam entre a euforia e a desconfiança em relação a Beto.

Adormeci e pensei que estava sonhando ao ouvir gritos pela casa. Mas logo identifiquei a voz de Júlia e vi que era real.

– Não! Não! Não!

Ela gritava e chorava ao mesmo tempo.

Continua…

 


 

Plá:

Quem é você? Não sei. Mas enquanto eu não descubro, estou arriscando.

 


 

Oi!! Para vocês que estão querendo saber sobre como participar do sorteio da Coleção Amigos do Castelo (A Bela e a Fera), é muito simples. Basta deixar seus comentários na série Vida de Solteira. Cada comentário vale um cupom. 😉

Boa sorte a todos e excelente final de semana.

 

12 comentários em “Vida de Solteira – 10: Quem são vocês?

  1. Apoio mttt esses dois. Mas o q será q aconteceu pra ela acordar com os gritos da amiga? To curiosa jaaa! Continua logo mulher kkk❤❤

  2. Aí meu deus, aí meu deus, aí meu deus. Como assim vou ter que esperar sábado pra descobrir o que tá acontecendo?? Prevejo que o irmão do Beto e a Júlia vão se dar muuuuuitooo bem e uma certa Camila vai rodar!!
    “Aqui. Acordada e com medo” eu ri hahaha. Beto safadeeenhooo. Levando a Carol pro quarto hein. A mãe do Beto tem um ponteiro incrível hein. Duas vezes atrapalhando o filho. Que vergonha Carol. Todo mundo pegando vocês no sofá. Ainda bem que não deu tempo de nada hein? Agora a parte mais importante. Por que a doida da Júlia tava gritando???

    Ps : Eu preciso do kit da Bela e a fera. Se cada comentário vale um cupom eu to muito bem hahaha. Amando a história. Sábado virou meu dia favorito da semana. Bjs!!!

  3. Esse casal eu apoio❤
    Gente, nunca li coisa melhor 😍
    Quero logo o próximo cap😍😍😍
    Muito, muito , muitoooo boom mesmooo👏

  4. Já estou #inlove com esse casal ❤❤❤
    #cabe #beca

    A série tá muito legal!!!
    Estou viciada 😍😍😍

    Parabéns!!
    Você é show!!!! 👏👏👏👏

    Beijos princesa 😘😘😘😘

Deixe seu comentário