horizonte

Vida de Solteira – 23: Além do horizonte

horizonte

Isabel

 

Fui casada com Maurício por 25 anos. Numa festa, meio sem querer, nos esbarramos e foi amor à primeira vista. Ele era despretensioso, aventureiro e seus olhos brilhavam quando ele sorria. Fiquei encantada, nos casamos e imaginei que seria para sempre.

 A felicidade habitou nossa casa por muito tempo. Até que um dia vi uma mensagem no celular dele.

“Você vem hoje? Já estou com saudade.”

Eu vinha notando Maurício frio, mais distante, sempre muito ocupado. Mas nunca imaginei que pudesse ser outra mulher. Coloquei o celular de volta em cima da mesa do escritório e saí da sala antes que ele voltasse do banheiro. Senti como se levasse uma facada no peito, mas mantive o controle. Nunca gostei de escândalo.

No final da tarde Maurício me ligou dizendo que chegaria mais tarde devido a problemas inesperados. Apenas concordei e tive a confirmação que eu precisava.

Fiquei esperando ele chegar. Às 22h35 escutei Maurício caminhando em direção ao nosso quarto.

– Onde você estava? – Falei quando ele abriu a porta.

– Trabalhando. Eu te avisei que ficaria até mais tarde.

– Vai continuar mentindo?

Ele me olhou meio confuso.

– Tá doida, Isabel? Já falei que estava trabalhando.

– Ah, desculpe. Deve ter sido um sonho a mensagem que vi hoje pela manhã. Uma tal de Gleice dizendo que estava com saudade e perguntando se você ia hoje.

Maurício paralisou.

– Isabel, você entendeu tudo errado. Recebi essa mensagem, mas foi engano. A pessoa mandou para o número errado.

Talvez eu perdoasse a traição se ele tivesse sido sincero. Mas preferiu continuar mentindo. O amor, o respeito e a admiração que eu sentia por Maurício sofreu um grande abalo naquele dia e começou a morrer. O silêncio se instaurou entre nós dois  e deixamos nosso casamento afundar, enquanto fingíamos que nada acontecia.

Perdi a alegria e passei a viver no modo automático. Não sabia o que fazer. O divórcio era uma opção, mas eu não estava totalmente certa. Tinha medo do que os outros iam pensar, como Júlia ia reagir. E no meio desse furacão apareceu Anderson. Separado há quatros anos, educado, gentil, atencioso… Vi o amor nascer novamente, comecei a me sentir melhor, mais feliz e acabei devolvendo a traição de Maurício.

– Foi muito errado o que fiz com Júlia. Já em relação a Maurício, não me culpo por tê-lo traído. Fiquei triste quando soube que ele tentou suicídio, mas foi ele que iniciou a destruição do nosso casamento. Só me arrependo de não ter conversado com minha filha. De ter me despedido por carta e sumido da vida dela.

 – Isso foi muito difícil pra Júlia.

– Eu sei, Carol. Quando decidi ir embora, eu assumi o papel de traidora e Maurício continuou como o pai exemplar. Eu poderia ter dito a Júlia tudo que ele fez, mas achei que isso apenas resultaria em mais sofrimento pra ela.

– Seu Maurício nunca tentou falar com a senhora?

– Um dia antes da tentativa de suicídio ele me mandou uma mensagem dizendo:

“Perdoe-me por ter jogado tudo fora. Me sinto um lixo.

Eu não respondi e nunca mais falei com ele.

Din-don! Din-don! Din-don! Din-don!

 


 

Carol

 

Sabe aquele ditado “chumbo trocado não dói”? Se realmente fosse verdade, a família de Júlia teria sido feliz para sempre. Acabei de descobrir que Dona Isabel já tinha levado chifre antes mesmo de passar.

Ainda não tinha nem me recuperado do susto quando a campainha começou a tocar. Dona Isabel se ofereceu para ir abrir a porta e, enquanto isso, fui tomar um pouco de água. Quase me engasguei quando ouvi a voz de Júlia. Corri para olhar.

– Júlia?

Infelizmente, era ela mesmo. O desastre estava feito. Rodrigo também apareceu e tinha uma mulher brigando com ele. Meu Deus, onde eu fui me meter?

– Vamos deixar sua mãe conversar com Carol, Júlia! – Rodrigo falou.

– Não, Rodrigo. Eu preciso falar com Júlia primeiro. Leve dona Isabel para seu apartamento. Por favor! – eu falei.

Eu precisava explicar a ela tudo que estava acontecendo.

– Mas Carol…

Dona Isabel tentou protestar, mas Rodrigo interveio.

– É melhor irmos,  Isabel. Mais tarde você volta.

Ele falou como se tivesse intimidade com ela. Será que Rodrigo e a mãe de Júlia… Ah, não. Isso não.

Eles foram embora seguidos pela mulher que falava do seu aniversário e Júlia entrou no apartamento. Pedi que ela sentasse no sofá e falei toda a história que a mãe dela tinha acabado de me contar.

– Eu não sei nem o que pensar – Júlia falou mais com ela do que comigo.

– Me ajude, Carol. Eu não sei o que fazer. É muita mentira.

– Eu acho que você devia conversar com a sua mãe. Afinal ela é a sua mãe e é sempre bom ouvirmos os dois lados.

– Eu vou falar com ela. Mas antes queria te contar uma coisa.

Pelo jeito que ela me olhava, a “coisa” era de abalar as estruturas.

– Pode dizer, Juh. Já vesti meu colete à prova de bombas.

Ela abriu um pequeno sorriso.

– Amiga, eu fiquei com Rodrigo. E para piorar, talvez eu esteja gostando dele.

O colete não foi suficiente para proteger o soldado, no caso, eu. Meu corpo tremeu com aquela notícia. Júlia apaixonada por RODRIGO?

– Pare de me olhar assim e diga alguma coisa, Carol.

– CHO-CA-DA!

– Isso eu já estou vendo. Diga algo que me ajude, neh?!

– Não sei. Como você foi se apaixonar por Rodrigo, amiga? Até hoje não descobri se ele é capaz de amar alguém.

– Aconteceu. Droga! Droga! Droga! Eu sou muito burra. Ele contou a história de uma menina que morreu, chorou e eu comecei a gostar dele. Estávamos juntos agora, mas a aniversariante apareceu para me avisar que ele não mudou muito.

– Aquela mulher tá um pouco fora do controle! Ai, Juh. Eu não sou a melhor pessoa para dar referências de Rodrigo. Ele mentiu muito pra mim. Mas, se você tá gostando dele, o único jeito de descobrir se ele mudou, é arriscar. Se for mentira, vai doer, mas você supera. Olhe meu caso, conheci Beto e vou até casar. E se for verdade, será maravilhoso.

– Eu sei. Mas não é fácil tomar uma decisão tão arriscada assim. Eu estou tão machucada, que banana de recém-nascido perde pra mim.

– Owww! Mas tente avaliar os riscos e as coisas boas. Por exemplo, o beijo dele, como foi?

– Ah, isso não vale. Você sabe muito bem que é maravilhoso.

– Entre ele e João Victor, quem te faz sorrir quando você lembra?

Antes mesmo que ela falasse, a resposta já estava escrita na sua testa.

– Eu acho que Rodrigo me deixa mais alegre.

– É, Juh. Não queria te dizer isso, mas você se apaixonou mesmo, amiga.

– Nossa! Como você é idiota, Carol. Não quero saber das suas constatações sem noção – ela falou sorrindo.

– Vem aqui, sua maluca.

Abracei minha amiga e pedi mentalmente para que os anjinhos a protegessem e Rodrigo não fizesse nenhuma maldade com ela.

– Parece que as coisas já estão calmas? – Beto falou saindo do quarto onde estava escondido para não atrapalhar a conversa.

– Aparentemente sim, ex-cunhado.

– Então meu irmão perdeu todas as chances mesmo?

– Perdeu, Beto. Quando acaba o respeito, acaba tudo.

– Realmente João Victor ainda precisa aprender muita coisa.

 


 

Júlia

 

– Oi, Júlia – Rodrigo disse ao atender o celular.

– Por favor, diga a minha mãe que estou esperando ela aqui.

– Você não acha melhor conversar no meu apartamento?

– Me sinto mais a vontade aqui.

– Tudo bem, então. Mas ainda preciso falar com você.

– Outro dia.

– Outro dia, não. Hoje. Por favor?

– Depois que eu falar com a minha mãe, eu vejo isso. Ok?

Ele concordou e desliguei o telefone. Beto e Carol foram para o quarto e me deixaram na sala esperando a minha mãe. Alguns minutos depois ela chegou.

– Oi mãe, entre.

– Me desculpe, filha. Não era pra ter sido assim.

Ela me abraçou e começou a chorar.

Eu tinha muitas mágoas da minha mãe. Por muito tempo chorei olhando aquela carta, imaginando como ela foi capaz de ir embora daquele jeito. Mas hoje, ao descobrir o seu sofrimento, me senti menos traída. E, como ela queria se reaproximar de mim, eu daria uma nova chance.

– Tudo bem, mãe. Carol já me explicou o que aconteceu. Não quero mais saber da sua relação com meu pai. Quem traiu, quem errou mais ou menos, apenas quero ter um pai e uma mãe presentes na minha vida.

– Obrigada, minha filha. Prometo nunca mais te decepcionar dessa forma. Me esforçarei ao máximo para ser uma mãe melhor.

– Tá certo, mãe. Vamos virar essa página.

– Amanhã é meu casamento. Gostaria muito que você fosse, filhinha.

– Acho que ainda não estou preparada para conhecer a família do seu noivo. É melhor esperar mais um pouco.

– Se você ainda não se sente confortável, não precisa ir. Eu só queria te dizer mais uma coisa. Tenha cuidado com Rodrigo, ele é um menino muito bonito e educado, mas já soube que ele é muito mulherengo. Não sei se é a melhor pessoa para te namorar.

A fama de Rodrigo era conhecida até por minha mãe. O conselho de Carol sobre arriscar, se tornava cada vez mais difícil.

Falei para ela não se preocupar, nos despedimos e minha mãe foi embora.

Estava indo chamar Carol e Beto para saírem do quarto, quando a campainha começou a tocar novamente.


 

Carol

 

Assim que trancamos a porta do quarto, Beto começou a falar baixo e assustado.

– Meu amor, acho que fiz uma grande besteira.

– Mais um problema? O que aconteceu?

– Eu disse a João Victor que Júlia estava aqui.

– Não acredito, Beto. Por que você foi falar isso? Júlia não quer mais nada com João Victor, ela já tá ficando com outra pessoa.

– Já? Com quem?

Se segura, Beto, que lá vem bomba.

– Rodrigo.

– Rodrigo?

– Sim. Rodrigo, o mesmo do nosso noivado.

– Júlia caiu na conversa daquele safado? Ele não presta, Carol. Ele tá fazendo isso para se manter próximo de você.

– Se fosse isso Júlia já teria percebido, Beto. Não o acho muito confiável, mas também não acredito que ele seja um monstro. Não vou me meter na decisão dela e não quero que você se meta também.

– Não me meto, mas nós quatro nunca vamos sair para jantar. Nem cinema ou nada parecido com isso. Não quero esse cara perto de você.

– Que cowboy ciumento!

– Não adiantar ficar dengosa, porque minha resposta sempre será não.

– Eu não estou fazendo nada.

– Eu conheço muito bem esse seu sorriso despretensioso.

– O meu?

– Sim, senhora. O seu.

Abracei Beto e comecei a beijar seu rosto até ele não resistir e me beijar também.


 

Júlia

 

– João Victor?

– Posso entrar na casa do meu irmão?

– Claro. Eu já estou indo embora.

Ele segurou no meu braço.

– Espere, Júlia. Precisamos conversar.

– Já conversamos até mais do que devia, João Victor.

– Então o namoro acabou mesmo? De verdade?

– Acabou no dia que eu descobri que seu sentimento por mim não era amor. E morreu quando você me ofendeu.

– Eu agi de cabeça quente, Júlia. É tão difícil assim você me entender um pouco?

– Eu não preciso, não quero e não me interessa mais te entender, João Victor. Acabou!

– Pensei que você falasse a verdade, quando dizia que gostava de mim.

– “Gostava”, pretérito imperfeito do verbo “gostar”. Ou seja, não gosto mais.

– Júlia? – Rodrigo me chamou.

– O que você quer? Deixe a minha namorada em paz – João Victor falou irritado.

– Namorada? Você voltou a namorar com ele?

Senti a decepção na voz de Rodrigo ao me fazer aquela pergunta.

– Não voltou, porque nunca acabou. Agora vá embora, seu inconveniente.

– Isso é verdade, Júlia?

Poderia ter deixado Rodrigo sofrer um pouco, mas não aguentei.

– É mentira. Eu e ele não temos mais nada.

Rodrigo abriu um sorriso.

– Eu não acredito que você realmente me traiu – João Victor disse perdendo o controle.

– Às vezes você é tão idiota que não merece nem resposta.

Deixei João Victor falando sozinho e entrei no elevador. Rodrigo correu atrás de mim.

– Por favor, Rodrigo. Não quero conversar nada agora. Gostaria muito de ir para minha casa e tentar me acalmar um pouco. Você poderia me levar?

– Claro!

Ficamos em silêncio até entrar no carro, quando ele começou a falar novamente.

– Você é muito especial pra mim, Júlia. Eu não queria perdê-la. Me sinto vivo outra vez quando estou com você.

– Eu vi. Se sente tão vivo, que se não desse certo comigo, já tinha marcado com outra. Ou será que você ia se encontrar com ela quando eu fosse embora?

Rodrigo tirou uma mão do volante e passou no cabelo. Eu odiava prestar atenção nele. Aquela beleza toda me distraía.

– Júlia, eu nem lembrava que tinha combinado nada com Bianca.

– Mas pelo jeito o grau de intimidade entre vocês é grande, para ela ter ido te procurar na sua casa.

– Eu fiquei algumas vezes com ela.

– E disse que amava?

– Eu disse que gostava. Mas isso foi antes de perceber o quanto eu agia errado. Eu não quero mentir para você, provavelmente outras meninas ainda virão me procurar. Só que não tenho mais nenhum interesse nelas. Apenas você é importante pra mim. A única capaz de preencher o vazio que nenhuma delas conseguiu.

– Nem Carol?

– Júlia. Você sabe que não.

Ainda bem que estávamos chegando perto da minha casa. Eu precisava ficar sozinha. Era muito difícil confiar em Rodrigo e apostar nesse amor inusitado. A minha confiança estava abaixo de zero e ele já ter ficado com Carol, só piorava a situação. Talvez ele ainda gostasse dela.

– Chegamos. Não vai falar mais nada?

– Hoje não, Rodrigo. Preciso descansar um pouco e pensar melhor em tudo que aconteceu.

Abri a porta do carro, olhei a minha casa vazia e agradeci por essa pequena sorte de ainda estar sozinha. Não era o melhor dia para conversar com meu pai.

Passei a noite acordada. Rodrigo respeitou o meu momento e não tentou falar comigo. Após pensar muito, tomei minha decisão e enviei uma mensagem.

Júlia

Bom dia. Foi bom estar com você nesses últimos dias. Obrigada por compartilhar um pouco da sua vida comigo. Mas, infelizmente, não vai ser possível ficarmos juntos. São muitas magoas para serem superadas e não consigo acreditar verdadeiramente em você. Desculpe qualquer coisa. Desejo que você seja muito feliz, muito mesmo, além do infinito.

Ele respondeu quase instantaneamente

Rodrigo

Será impossível ser feliz sem você.

Foi a última vez que nos falamos.

Se a minha vida fosse um filme daqueles em que você enxuga as lágrimas em um lencinho de papel, o dono da fábrica de lencinhos iria me adorar pelo incrível aumento no faturamento dos lucros nesses últimos dias.

Passei uma semana em casa isolada do mundo. Minha mãe e Carol me ligaram algumas vezes, mas eu não atendi. Meu pai e tia Eunice voltaram de viagem e encontraram um monstro dentro de casa. Meu cabelo parecia uma vassoura velha, meus olhos inchados e usando uma roupa que era moda no tempo da minha avó.

– Minha filha, o que aconteceu?

– Você traiu a minha mãe? Por que nunca me contou? Você também mentiu pra mim. Por que todo mundo mente?

– Eu só queria esquecer tudo isso e seguir em frente, Júlia. Por isso não quis mais mexer nessa história.

– Você deixou ela levar a culpa sozinha. A senhora também sabia disso, tia Eunice?

– Eu soube. E não apoiei seu pai. Mandei ele conversar com sua mãe, antes que o casamento acabasse, mas ele não me escutou e aconteceu tudo que já sabemos. Eu entendo a sua decepção, mas vamos tentar seguir em frente sem cometer os erros do passado. Não é, Maurício?

– É. Sua tia tem razão. Não vamos mais sofrer por algo que já passou. Eu aprendi a lição com a pior punição possível, que foi perder a sua mãe. Não quero perder você também, minha filha.

A voz embargada do meu pai me fez começar a chorar. Ele e tia Eunice também deixaram cair algumas lágrimas e no final ficou tudo bem. Menos pra mim, que ainda não tinha superado Rodrigo.

Fui para o meu quarto e tia Eunice chegou minutos depois.

Toc! Toc! Toc!

– Posso entrar, Júlia?

– Pode.

– Além do problema da sua mãe com seu pai o que mais está te perturbando? Não minta pra mim, eu posso ver que tem mais coisa aí.

Contei a verdade à tia Eunice. Eu estava com vontade de desabafar e talvez ela pudesse me ajudar de alguma forma.

– Me apaixonei por um menino, mas é um amor praticamente impossível. Eu provavelmente iria me machucar mais do que posso suportar.

Ela deu um meio sorriso, como se tivesse lembrando de alguma coisa.

– Eu também já vivi um amor muito intenso. Nos conhecemos no colégio e namoramos por três anos. Mas na minha sala estudava uma menina que não me suportava e fazia de tudo para chamar atenção dele. Um dia, no último ano da escola, teve a primeira festa de despedida e meu pai não me deixou ir de jeito nenhum. Meu namorado foi e, completamente bêbado, conforme o amigo dele me confirmou depois, dormiu com ela. Resultado: ela engravidou. Ele chorou, pediu perdão, disse que mal lembrava do que tinha acontecido, que me amava e se eu quisesse poderíamos fugir. Como na minha época, se um homem engravidasse uma mulher, tinha que casar, a única solução seria fugir. Mas eu não consegui perdoá-lo, doía demais. Acreditar nele outra vez parecia algo impossível. Fiquei sozinha e ele casou com a safada. Depois de anos o encontrei no parque com a filha. Sabe como ela se chamava?

Balancei a cabeça indicando que não.

– Eunice.

– Não acredito, tia!

– Pois é. Você tem ideia de como me senti feliz por aquela sujeita ser obrigada a lembrar de mim sempre que chamasse o nome da própria filha? Antes que eu fosse embora, ele ainda disse: “foi a forma que encontrei de manter você por perto. Ainda que seja apenas seu nome, já me faz bem.”

Saí com meu coração partido. Júlio, apesar de tudo, também tinha me amado.

– Júlio? Isso tem alguma relação com a escolha do meu nome?

– Sim. Sugeri a seu pai o nome de Júlia. Ele e sua mãe sabiam de toda a história e concordaram.

– Agora está tudo explicado. É por isso que minha vida amorosa é um desastre total. Meu nome é fruto de uma história de amor fracassada.

 – Há! Há! Há! Há!

Tia Eunice sempre sorria pausadamente.

– Não pense assim. Seu nome representa uma linda história de amor. Faça valer a pena essa homenagem e viva o amor de uma forma sublime. Até hoje eu me pergunto: e se eu tivesse arriscado? Será que eu teria sido mais ou menos feliz? Isso eu nunca vou saber responder. Mas uma coisa eu sei, desistir do amor também causa muita dor. Então, Júlia, pense bem antes de tomar qualquer decisão.

Tia Eunice me abraçou e saiu do quarto.

Acho que a praga de Carol estava se concretizando. Eu seria uma tia Eunice 2.


 

Rodrigo

A mensagem de Júlia não ia me fazer desistir. Eu tinha certeza dos meus sentimentos por ela e ia fazer de tudo para ficarmos juntos, inclusive falar com a pessoa mais improvável do mundo.

Um mês depois…


 

Beto

 

O dia tão esperado chegou. Finalmente, eu ia me casar com Carol. Meu nervosismo estava em dobro por causa de Rodrigo. Eu nunca pensei que ajudaria meu inimigo. Mas todo mundo merece uma chance e vi sinceridade quando ele chegou no meu apartamento pedindo ajuda.

– Por favor, cara. Acredite em mim. Eu não posso conseguir sem sua ajuda. Ter você ao meu lado é como um certificado da minha sinceridade.

– E eu lá sei se você está sendo sincero. Você vivia correndo atrás de Carol. Como pode ter se apaixonado tão rápido por Júlia?

– Eu era cego. Desacreditava tanto no amor que não consegui perceber ele bem ao meu lado. Mas quando vi, foi certeiro. Me derrubou na mesma hora.

– Júlia namorava meu irmão. Você tem ideia do tamanho do problema se eu aceitar te ajudar?

– Mas seu irmão nunca ia ser feliz com ela. Júlia nasceu pra mim. É a mesma coisa de você e Carol. Ela nunca teria sido feliz comigo, porque a pessoa certa pra ela é você.

No final de toda a conversa, Rodrigo acabou me convencendo.

Eu só esperava que tudo desse certo e ele não arruinasse o meu casamento.

 


 

Júlia

– Amiga, você tá linda!

– Obrigada, Juh. Estou muito nervosa. Beto tá tão estranho. Ele diz que não é nada. Mas, sei lá, já cheguei a pensar que ele se arrependeu do casamento.

– Kkkkkk. Você tá completamente louca, Carol. Ele apenas deve tá ansioso igual a você.

– Tomara que você esteja certa. E como foi a conversar com o diretor? Já sabe quando vai começar a gravar?

Ainda não contei a vocês, mas eu estava iniciando a minha carreira de atriz. Depois que conversei com tia Eunice, resolvi dar um tempo para meu coração respirar. Parei de chorar e tentei não ficar pensando em Rodrigo. Passei a maior parte dos meus dias com Carol, ajudando a resolver as coisas do casamento.

Eu e Carol fomos almoçar depois de escolhermos o sapato que ela usaria com o vestido de noiva. No mesmo restaurante estava um produtor de elenco. Ele se aproximou da nossa mesa e nos convidou para fazer um teste. Se o resultado fosse positivo, participaríamos da próxima novela das 19h. Carol não aceitou. A medicina era a única coisa que interessava a ela. Eu nunca tinha pensando em ser atriz, mas quando ele falou, pensei que poderia ser uma boa opção. Todos me elogiaram muito após o teste e fui contratada. Tenho muita coisa para estudar, mas estou amando.

– Próximo mês eu viajo para gravar as primeiras cenas. Vou passar uma semana em Nova York.

– Muito orgulhosa. Tenho certeza que vai ser um sucesso, Juh.

– Vamos Carol, já está na hora de entrar. Beto parece que vai ter um ataque cardíaco naquele altar – a mãe de Carol falou ao entrar na sala onde estávamos.

– Chegou a hora, amiga. Me deseje sorte.

– Muita sorte, sua doida. Vai dar tudo certo.

Saí primeiro da sala. Eu entraria antes de Carol. Quando coloquei os pés na passarela que dava acesso ao altar, Beto pegou um microfone e começou a falar.

– Por favor, um minuto da atenção de todos.

“Meu Deus, será que Carol tinha razão? Ele vai desistir?”

A música de Anavitória começou a tocar.

“Tu, que tem esse abraço casa

Se decidir bater asa

Me leva contigo pra passear

Eu juro afeto e paz não vão te faltar…”

Escutei um: “OOOOH! E não acredite quando vi. Apertei os olhos umas cem vezes para ter certeza que não estava ficando louca. Rodrigo entrando no casamento montado em um cavalo branco? Não podia ser!

Rodrigo cavalgava lentamente, mas o cavalo se assustou e saiu correndo com ele, que gritava: Beto, Socorro!!!! Socorro! Betoooo.

Beto correu e começou a gritar com o cavalo. Não sei como ele conseguiu aquilo, mas Ventania – era esse o nome do cavalo – parou e Rodrigo desceu.

– Você não disse que esse cavalo era manso? – Rodrigo disse ao colocar os pés no chão.

– Ele é. Foi você que assustou o coitado.

– Tô desconfiando que você queria me matar.

– Vai logo resolver o que você veio fazer aqui e deixa de ser idiota.

Rodrigo se ajoelhou na minha frente. O rosto ainda assustado.

– Eu te amo, Júlia. Eu faço tudo que for possível para ficarmos juntos, até montar num cavalo violento emprestado por esse louco. Não desista de mim, por favor. Eu juro sempre cuidar de você e nunca fazer nada para te machucar. Não tenha medo de viver essa história de amor comigo, por favor, acredite em mim. Eu tinha flores para te oferecer, mas o cavalo pisou em cima.

– Você é completamente louco. Todos dois.

Falei apontando pra Beto que estava ao nosso lado.

– Aceita logo ficar com esse idiota, Júlia. Vocês estão tumultuando o meu casamento. Espero que Carol entenda isso.

Puxei a mão de Rodrigo para que ele ficasse em pé e o beijei. As pessoas começaram a bater palmas.

– Vou arriscar viver essa loucura com você.

– Você não vai se arrepender, meu amor.

– A noiva tá esperando – a mãe de Carol falou baixinho no meu ouvido.

Olhei para trás e Carol sorria pra mim com os olhos arregalados. Beto tentou ir falar com ela, mas eu não deixei.

– Volte para o altar. Eu conheço a minha amiga. Sei que ela não está com raiva.

Beto concordou e voltou correndo para o altar. Rodrigo saiu também e o casamento continuou.


 

Carol

 

– Você ficou com raiva de mim pelo que aconteceu? O imbecil do Rodrigo bateu o pé com força na barriga do cavalo e provocou toda aquela confusão. Me desculpe, meu amor? Não queria atrapalhar nosso casamento. É que ele insistiu tanto, chorou…

Coloquei a mão na boca de Beto.

– Tudo bem, meu cowboy romântico. O que você fez foi lindo. Não foi egoísta e pensou em ajudar Rodrigo, mesmo no dia do seu casamento. Mas de quem foi a ideia do cavalo? Kkkkkkk.

– Foi dele. Ele queria chamar atenção e parecer um príncipe encantado.

– Kkkkkkkkk. Não foi a melhor ideia que alguém poderia ter. Ainda bem que deu tudo certo.

Aquele, sem duvida, era o melhor dia da minha vida. Eu estava feliz, a minha amiga também, além de Beto e Rodrigo terem virado amigos.

Fim

 


 

Plá:

Além do horizonte sempre haverá algum lugar para se viver em paz. 

 


 

Estou com o coração apertadinho por ser o último capítulo e ao mesmo tempo muito feliz por ter compartilhado cada momento de Carol, Júlia, Rodrigo, Beto… com vocês.

Escrever, como qualquer profissão “diferente” não é aceito tão facilmente, pelo menos, no começo não. Já escutei muitas coisas desagradáveis como: “E isso dá dinheiro?” “Escrever é hobby e não trabalho!” “Desista dessa besteira.” “A editora, infelizmente não tem tempo para ler seu livro. Então, sinto muito, mas a resposta é não. Espero que entenda.”

Claro que ao ouvir essas coisas a vontade nunca foi de dizer: Que ótimo! Maravilha!

Não foi mesmo. Posso garantir que minha vontade passou longe de dizer algo assim. Mas respirei fundo e mantive o sorriso no rosto. Porque muito acima de toda essa negatividade, está meu coração e vocês.

Como advogada, não sei se todos sabem, mas eu sou advogada, parecia que faltava vida. Já como escritora, é tanta vida que ultrapassa meu corpo e chega até vocês.

Hoje queria mais uma vez agradecer por todas as vezes que vocês me incentivaram, reclamaram que o capítulo estava pequeno, pediram mais… Enfim, demonstraram de todas as formas o carinho que sentem por mim e pelo meu novo trabalho. Essa semana mesmo recebi uma mensagem de uma pessoa (não vou dizer o nome, porque não pedi autorização a ela) que dizia assim: “Tu não imagina como gosto de ler seus contos. Eu nunca gostei de ler nada. E num momento bem difícil comecei a ler. EU AMEIII. VOCÊ NÃO TEM NOÇÃO!!”

Além do meu amor por escrever, vocês não têm ideia de quanto essas mensagens me impulsionam a querer mais. Muito obrigada. De verdade. Podem ter certeza que vocês são especiais na minha vida.

Hoje o Vida de Solteira dá tchau e em breve lançarei um novo livro. Sou suspeita para falar, mas eu estou gostando muito. Acho que vocês vão gostar também. Quando ficar pronto eu disponibilizo o primeiro capitulo aqui no site. Vem aí: Cecília!

Excelente final de semana e quem for para a Bienal do Rio, nos encontraremos por lá no dia 31/08.

Amo vocês!!!! Meus príncipes e princesas. Mas, uma dica: Não queira surpreender sua amada ou amado levando um cavalo branco para o casamento da amiguinha, por favooooor.

Obrigada!

 

3 comentários em “Vida de Solteira – 23: Além do horizonte

  1. Eita penga!!! Arrasou viu! Adorei o final! Tô surtando!
    Ai meu coração!! Naaaaaaaaaao!! Não me deixe!!! 😂😂 Menina, não tenho palavras para agradecer por cada capítulo desse! Tu sabes né como é my life 😂😂😂😂 (só a graça), e me identifiquei bastante com a maioria dos capítulos ,assim como Eduarda. Então eu te desejo todo sucesso,muitas inspirações e muitos leitores! Tu merece!! Que venha o próximo! Tô aguardando! Beijooooooooo ❤❤❤

  2. Parabéns minha filha, vc nasceu pra escrever e vc vai longe. Não sou suspeita em falar isso em público pelo fato de ser sua mãe , pq foi muito crítica no início , fiz muitas perguntas ,questionei mesmo, como toda mãe que quer o melhor para os filhos questionam . Mas , meio que desconfiada , fui apoiando , mais pelo sentimento de mãe que apoia os seus filhos em toda ou qualquer situação. Nada É mais importante na vida de uma mãe , do que ver seus filhos fazendo o que gostam ,felizes e sorrindo . Parabéns filha, pela filha que vc é , pela advogada , e pela escritora l
    principalmente por poder levar milhoes de mensagens aos jovens e adultos . Amei o final de vida de solteira. Deixo a dica. Não importa qual seja a situação , Ajudem aos seus filhos serem felizes que teremos um mundo melhor. Bjos para vc e para todos seus leitores . Te amo incondicionalmente .

    ,

  3. Se eu tivesse gravado um vídeo meu, lendo esse capítulo, você teria motivos para rir pelo resto da vida!! Porque foi uma sequecia de pulos, risadas, lágrimas e berros!!! O primeiro foi quando descobri que a mãe da Julia também foi traída! E aí veio o Beto chamando o João e ela terminando de vez o namoro. E então ela dispensando o Rodrigo e o Rodrigo pedindo ajuda do Beto pra reconqisar ela. TUDO ISSO NO MEIO DO CASAMENTO!! E DE CAVALO!!! A história da filha do namorado da Eunice também partiiu meu coração! E O ESTOURO FINAL : Beto casando com a Carol, e a Julia e o Rodrigo juntos. E alem disso o Beto e Rodrigo virando amigos. EU NÃO TENHO PALAVRAS PRA DIZER O QUANTO AMEI ESSE CAPÍTULO. Simplesmente não tenho. Alias, eu amo tudo que você escreve. Eu li esse ultimo capítulo pulando na cadeira. E to muitooo ansiosa pelo seu próximo trabalho, que aposto que vai ser tão incrível quanto todos os outros. VOCÊ É UM SHOW!!

Deixe seu comentário